segunda-feira, 13 de março de 2017

Reunião Publica (339) - O Evangelho Segundo o Espiritismo

Ano XI - 12/03/2017

Capítulo III - Há muitas moradas na casa de meu Pai
INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS

Mundos Regeneradores

(Santo Agostinho, Paris 1862.)

19. O progresso é lei da Natureza. A essa lei todos os seres da Criação, animados e inanimados, foram submetidos pela bondade de Deus, que quer que tudo se engrandeça e prospere. A própria destruição, que aos homens parece o termo final de todas as coisas, é apenas um meio de se chegar, pela transformação, a um estado mais perfeito, visto que tudo morre para renascer e nada sofre o aniquilamento.
Ao mesmo tempo que todos os seres vivos progridem moralmente, progridem
materialmente os mundos em que eles habitam. Quem pudesse acompanhar um mundo em suas diferentes fases, desde o instante em que se aglomeraram os primeiros átomos destinados e constituí-lo, vê-lo-ia a percorrer uma escala incessantemente progressiva, mas de degraus imperceptíveis para cada geração, e a oferecer aos seus habitantes uma morada cada vez mais agradável, à medida que eles próprios avançam na senda do progresso.
Marcham assim, paralelamente, o progresso do homem, o dos animais, seus auxiliares, o dos vegetais e o da habitação, porquanto nada em a Natureza permanece estacionário. Quão grandiosa é essa idéia e digna da majestade do Criador! Quanto, ao contrário, é mesquinha e indigna do seu poder a que concentra a sua solicitude e a sua providência no imperceptível grão de areia, que é a Terra, e restringe a Humanidade aos poucos homens que a habitam!
Segundo aquela lei, este mundo esteve material e moralmente num estado inferior ao em que hoje se acha e se alçará sob esse duplo aspecto a um grau mais elevado. Ele há chegado a um dos seus períodos de transformação, em que, de orbe expiatório, mudar-se-á em planeta de regeneração, onde os homens serão ditosos, porque nele imperará a lei de Deus.
- Santo Agostinho. (Paris, 1862.)

Reunião Publica (339) - Livro dos Espíritos

Ano XI - 12/03/2017

Parte II - CAPÍTULO IX DA INTERVENÇÃO DOS ESPÍRITOS NO MUNDO CORPORAL

Q. 475 a 480

segunda-feira, 6 de março de 2017

Reunião Publica (338) - Livro dos Espíritos

Ano XI - 05/03/2017

Parte II - CAPÍTULO IX DA INTERVENÇÃO DOS ESPÍRITOS NO MUNDO CORPORAL

Q. 473 e 474

Reunião Publica (338) - O Evangelho Segundo o Espiritismo

Ano XI - 05/03/2017

Capítulo III - Há muitas moradas na casa de meu Pai
INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS

Mundos Regeneradores

(Santo Agostinho, Paris 1862.)
16. Entre as estrelas que cintilam na abóbada azul do firmamento, quantos mundos não haverá como o vosso, destinados pelo Senhor à expiação e à provação! Mas, também os há mais miseráveis e melhores, como os há de transição, que se podem denominar de regeneradores. Cada turbilhão planetário, a deslocar-se no espaço em torno de um centro comum, arrasta consigo seus mundos primitivos, de exílio, de provas, de regeneração e de felicidade.(...)

17. Os mundos regeneradores servem de transição entre os mundos de expiação e os mundos felizes. A alma penitente encontra neles a calma e o repouso e acaba por depurar-se. Sem dúvida, em tais mundos o homem ainda se acha sujeito às leis que regem a matéria; a Humanidade experimenta as vossas sensações e desejos, mas liberta das paixões desordenadas de que sois escravos, isenta do orgulho que impõe silêncio ao coração, da inveja que a tortura, do ódio que a sufoca.

Em todas as frontes, vê-se escrita a palavra amor; perfeita equidade preside às relações sociais, todos reconhecem Deus e tentam caminhar para Ele, cumprindo-lhe as leis. Nesses mundos, todavia, ainda não existe a felicidade perfeita, mas a aurora da felicidade. O homem lá é ainda de carne e, por isso, sujeito às vicissitudes de que libertos só se acham os seres completamente desmaterializados. (..)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Reunião Publica (337) - O Evangelho Segundo o Espiritismo

Ano XI - 26/02/2017

Capítulo III - Há muitas moradas na casa de meu Pai
INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS

Mundos de expiações e de provas

(Santo Agostinho, Paris 1862.)
13. Que vos direi dos mundos de expiações que já não saibais, pois basta observeis o em que habitais? A superioridade da inteligência, em grande número dos seus habitantes, indica que a Terra não é um mundo primitivo, destinado à encarnação dos Espíritos que acabaram de sair das mãos do Criador. As qualidades inatas que eles trazem consigo constituem a prova de que já viveram e realizaram certo progresso. Mas, também, os numerosos vícios a que se mostram propensos constituem o índice de grande imperfeição moral. Por isso os colocou Deus num mundo ingrato, para expiarem aí suas faltas, mediante penoso trabalho e misérias da vida, até que hajam merecido ascender a um planeta mais ditoso. (...)